quarta, 21 fevereiro 2018
Aviso

Imagem da Notícia: Alunas de Estética têm trabalho reconhecido em Congresso Nacional

Alunas de Estética têm trabalho reconhecido em Congresso Nacional

As estudantes do curso de Estética e Cosmética da Fundação Educacional de Fernandópolis - FEF, Jéssica Torquetto Valero e Letícia Dória Cotrin, destacaram-se em apresentação de trabalho acadêmico no 17º Conic - Congresso Nacional de Iniciação Científica da Semesp, realizado em São Paulo. O estudo de tema: “o exagero da vaidade precoce”, teve como objetivo, alertar os pais e a sociedade sobre os problemas que os cosméticos podem causar na saúde física e psicológica de crianças de 6 a 8 anos.

Em entrevista com alunas de escolas públicas e privadas, a pesquisa apontou que a maioria das estudantes da escola pública, utilizam a maquiagem das mães, ou seja, 47% das mães compartilham sua maquiagem com suas filhas. Já na escola particular, a maior parte das entrevistadas possuem sua própria maquiagem, sendo que 60% das meninas recebem incentivo das mães na compra de produtos. Outro dado relevante, é que cerca de 53% das estudantes da escola pública, utilizam maquiagem infantil, enquanto que na escola particular o percentual é menor,  27%,  com destaque de  73% do uso de maquiagem profissional.

De acordo com o site da Semesp, o congresso “tem como objetivos identificar talentos, estimular a produção de conteúdo científico além de viabilizar na prática os projetos apresentados pelos alunos, por meio do exercício da criatividade e de conhecimentos adquiridos.” Orgulhosa, a coordenadora do curso de Estética e Cosmética da FEF, Valéria Munhoz, ressaltou a importância da iniciação científica no ensino superior. “Assim como no caso das meninas, este exercício favorece o desenvolvimento de aptidões, influenciando no desenvolvimento crítico, ético e cultural”, disse ela.

Para Letícia o uso frequente de maquiagens em crianças é um problema que a sociedade ainda desconhece. “É necessário estabelecer um limite para a vaidade, em que pode ser valorizada desde que não haja erotização. Entretanto, de forma exagerada, a vaidade ocasiona comprometimentos no desenvolvimento da criança que está passando pelo momento de construção de sua personalidade”, esclarece a aluna, que disse ter ficado “radiante” com o trabalho reconhecido. “Só Deus sabe o quanto eu e minha parceira Jéssica estamos felizes e orgulhosas em ver que nosso estudo foi contemplado em meio a tantos outros,¿” acrescentou emocionada.

Jéssica alegre com o reconhecimento disse: “estamos ‘transbordando’ de felicidade, nosso esforço foi recompensado, e sou grata a todos que nos ajudaram de alguma forma”.

Mais Notícias

Faça seu comentário

Seu e-mail não será exibido!



Ir para o topo